O bom samaritano e o amor ao próximo.

Gostaria de compartilhar uma experiência que tive na semana passada: eu acompanhei uma amiga que está em tratamento de câncer de mama e que recomeçou as sessões de quimioterapia. Essa amiga já tinha feito quatro sessões de quimioterapia, anteriormente; fez a mastectomia da mama direita; e agora começaria a primeira de mais seis sessões de quimioterapia. O tratamento está sendo feito pelo SUS num grande hospital aqui em Santos.

A quimio estava agendada para as 11h00, mas devido a um problema com a máquina, todo o procedimento teve que ser feito num outro hospital da região. Ficamos aguardando, então, sendo que, as ministrações dos medicamentos só começaram após as 14h00.

Durante esse tempo de espera (do medicamento e do tratamento) eu pude ver o outro lado da história: quando eu passei pelo tratamento do câncer de mama eu só enxergava o meu lado, a minha dor e as minhas lutas, mas enquanto eu estava tomando as quimios, a minha mãe ficava na sala de espera, aguardando durante horas o término dos procedimentos. Nesse dia eu pude ver a luta de quem está acompanhando um ente querido, a dedicação, a dor e o sacrifício em nome do amor. O verdadeiro amor ao próximo que foi descrito na parábola do bom samaritano.

Em Lucas 10:25-27, a Palavra de Deus diz:

E eis que se levantou certo doutor da lei e, para o experimentar, disse: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? Perguntou-lhe Jesus: Que está escrito na lei? Como lês tu? Respondeu-lhe ele: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.

Eu pude ver o carinho de dois jovens que esperaram das 11h00 às 17h00 pelos seus avós. Uma moça que estava com seu bebê de colo e que junto à sua mãe aguardava o seu pai que estava em tratamento. Foram horas de espera, num lugar abafado, sem ventilação adequada e a maioria sem alimentar-se. Alguns trouxeram lanchinhos de casa e com muito amor ofereciam aos que estavam em volta.

Havia um rapaz que estava muito aflito e que me chamou a atenção. Eu percebi o nervosismo em seu semblante; de repente, toca seu telefone e ele recebe uma proposta de emprego: alguém do outro lado da linha pede para que ele faça uma entrevista no dia seguinte, mas ele responde que não poderia comparecer, pois havia uma pessoa que dependia dele para um tratamento médico, e que  não conseguiria comparecer na data agendada. Eu pude perceber como era importante para o rapaz aquela vaga de emprego. Foi muito bonita a maneira como ele colocou o tratamento do seu amigo em primeiro lugar. Ao término da sessão de quimioterapia, o senhor (aquele que o rapaz da proposta de emprego estava esperando) pergunta ao jovem: “Oi! Está tudo bem?” E o rapaz responde: “Está tudo ótimo amigo! Vou te levar para casa”.

Como eu fui a última a sair dali, eu pude acompanhar cada caso.

Infelizmente eu pude acompanhar também um senhora de idade que foi deixada na entrada do hospital por um carro: ela veio meio cambaleante e foi sozinha tomar a sessão de quimioterapia.

Fiquei emocionada e chorei, pois pensei em todas as vezes em que a minha mãe ficou me esperando. Pude refletir em todo o amor que esta mulher teve por mim. Eu espero um dia poder retribuir toda essa dedicação e todo esse amor ajudando as outras pessoas que precisam.

Eu convido você a exercitar esse amor, o amor incondicional que Jesus nos ensinou. Ajude a quem precisa, doe seu tempo a alguém que está doente, faça uma visita, leia um livro. O seu carinho e dedicação são muito importantes e tenho certeza que farão toda a diferença na vida dessas pessoas.

Seja o bom samaritano que Jesus mencionou na parábola. Não seja indiferente a dor do seu irmão, estenda a sua mão, abra o seu coração e deixe o amor falar mais alto!

Em Lucas 10:28-37, a Palavra de Deus diz:

Tornou-lhe Jesus: Respondeste bem; faze isso, e viverás. Ele, porém, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: E quem é o meu próximo?  Jesus, prosseguindo, disse: Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e caiu nas mãos de salteadores, os quais o despojaram e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto.  Casualmente, descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e vendo-o, passou de largo. De igual modo também um levita chegou àquele lugar, viu-o, e passou de largo.  Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou perto dele e, vendo-o, encheu-se de compaixão; e aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando nelas azeite e vinho; e pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. No dia seguinte tirou dois denários, deu-os ao hospedeiro e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que gastares a mais, eu te pagarei quando voltar. Qual, pois, destes três te parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores?  Respondeu o doutor da lei: Aquele que usou de misericórdia para com ele. Disse-lhe, pois, Jesus: Vai, e faze tu o mesmo.


Foto por Ambro de freedigitalphotos.net

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *